Mensagens

A mostrar mensagens de Outubro, 2019

Matenidade #12 - Sem pachorra para as defensoras das causas perdidas

Imagem
Não tenho pachorra para as defensoras do parto natural acima de todas as coisas. Respeitem que há quem não queira ter um bebé a sair por ali. É legítimo. Cada vez que sei que alguém vai ter um parto normal não desato a dizer que nos partos normais a passarinha pode rasgar até às costas e que as pessoas ficam muitas vezes incontinentes… Então não me venham logo dizer que uma cesariana é uma operação e que custa mais a recuperar… Esses argumentos são tão incertos como os meus.

Não tenho pachorra para as defensoras do parto humanizado acima de todas as coisas. Quando vou ao dentista não venho com modas de como ele me deve extrair um dente… Deixem os médicos que são (só por acaso) quem percebe da coisa aconselhar o modo como se deve fazer. Os senhores estudaram a sério para isso, eu quando muito andei a ler cenas na net e portanto se calhar parir a fazer o pino não facilita a vida a ninguém.
Nem vou comentar os partos em casa, em banheiras… Nem as novas santas da Hora, as Doulas!...

Não t…

Maternidade #11 - Parem com as perguntas parvas

Imagem
Parem de perguntar às pessoas se foi cesariana ou parto normal. Parem de perguntar às pessoas se estão a amamentar.

Que curiosidade mórbida é esta? É coisa que se pergunte? Que seca de gente. Não há pachorra!

Coisas do mundo #7 - Fé...

Imagem
Há alguns anos, desde os meus 18, que dia 31 de dezembro pegava no meu carro pela manhã e ia até Fátima. Ia pedir por mim, pela minha família e amigos… Ia pedir basicamente mais um ano com saúde e vinha embora. Estacionava, entrava no recinto, sentava-me num daqueles bancos de pedra, falava em pensamento, e vinha embora. Entretanto por nenhum motivo, deixei de o fazer… Afastei-me um pouco da religião. Coloquei muita coisa em causa. Ainda coloco. Mas chegou a altura de casar e não me fazia sentido não ser pela igreja. E lá foi. Mas novamente, em 8 anos terei ido a Fátima uma vez em grupo… Sou da Ciência, não acredito nem partilho da opinião de muita coisa vinda da minha religião… Há uns tempos assisti a um documentário sobre Fátima e duvidei muitas vezes de tudo… Mas no fim, sem grande lógica acreditei em tudo de novo, apenas porque não imagino que 3 crianças se sujeitassem a tanta pressão se não tivesse sido verdade. Não concebo essa ideia. Acredito por isso e porque tenho fé. Já vos di…

Maternidade #10 - O amor também dói...

Imagem
Desde que fui mãe descobri um amor novo. Tão grande, tão imensurável que às vezes me dói. Acho que tenho a noção de que vou sempre amar mais a minha filha do que ela me vai amar a mim, e não há volta a dar, dói um bocado. E ela ainda é tão pequena, imagino o difícil que será "deslargar" mais para a frente. Sinto muitas vezes que a maternidade é um caminho muito solitário. Não consigo partilhar muitas angústias e sentimentos contraditórios com o meu marido porque ele simplesmente não entenderia. Porque a certa altura até eu me acho ridícula, fará quem vê de fora… Acho que ninguém entende o que as mães sentem, a não ser outras mães, e de preferência que tenham boa memória ou estejam a passar pelo mesmo, e ainda assim, nem todas. Já achei a gravidez um momento bastante sozinho, onde o pai não partilha medos e sentimentos simplesmente porque vive outra realidade paralela, por mais presente que até esteja. Quando pouco tempo depois do parto me deparei com o babyblues, não estava pr…

Dieta #1 - Uma semana depois...

Imagem
Ora bem, lembram-se do que publiquei aqui ? Pois é, uma semana depois, algo falhou e só perdi umas míseras 500g... E não, não foram as contas do défice de 7000 kcal por semana, foram mesmo as idas ao Lidl (não resisto lá a um chocolate), o brunch com os primos, uma francesinha… Enfim, ao almoço tenho sido impecável, o pior é o jantar e os snacks de final de tarde!!!... Vamos lá ver se consigo compensar esta semana.

Maternidade #9 - Afinal a vida com um recém-nascido sempre muda qualquer coisa

Imagem
Lembram-se de eu ter falado que os meus amigos pais do recém-nascido L. estavam confiantes que pouco ia mudar quando o bebé nascesse? Que iam tentar manter a vida de sempre? Que com calma havia tempo para tudo? Pois é...…………..………………………… Afinal, agora "vivem em função de mamadas", e "é já hora de mamar outra vez"... Ahahahah tenho vontade de dizer o EU AVISEI, mas não quero ser nojenta! E repare-se, estão os dois de licença, ainda não há uma vida laboral a ocupar algo como 8 horas diárias. Resumindo, o L. ainda não saiu de casa!!!

Muito sinceramente acho que nunca ninguém tem noção do que é ter um recém-nascido, até ter mesmo um.  Mas, a boa notícia é que com o tempo os horários deixam de ser tão apertados, e embora nada fique mais fácil, ficamos nós mais experts no assunto...